Marcos Arzua é confirmado novo secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável

Repasse de transporte universitário deverá ser normalizado após votação na Câmara
15 de maio de 2018
Prefeitura nos Bairros será feita novamente no Ervino por causa de loteamentos irregulares
16 de maio de 2018

Estímulo à geração de um novo ambiente de negócios para São Francisco do Sul. Esta é apenas uma das missões escolhidas pelo novo secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Marcos Arzua. Formado pela Faculdade de Direito da PUC Paraná e com mais de 25 anos de atuação nas áreas de gestão e advocatícia, o empresário já exerceu, em paralelo aos negócios próprios, cargos e funções em renomadas instituições catarinenses e nacionais.

Em seu plano de trabalho estão presentes questões relacionadas à atração de investimentos e ampliação da matriz econômica do município para além da atividade portuária, com ênfase às vertentes da cadeia do comércio, serviços e turismo, no âmbito da economia do mar. “São Francisco do Sul tem um grande potencial e queremos buscar opções para trabalhar de maneira sustentável o desenvolvimento da cidade não só a curto prazo, mas com ações estruturadas para as próximas décadas”, destaca o secretário.

Arzua atua empresarialmente em São Francisco do Sul já há alguns anos por meio da Arzua Empreendimentos Imobiliários, da qual é sócio. A empresa desenvolve atividades no Paraná e em Santa Catarina, com forte presença no município francisquense desde a década de 1970.

Em sua larga experiência profissional estão o Conselho de Desenvolvimento da Prefeitura de Florianópolis, Conselho Estadual de Combate à Pirataria (CECOP) e Fecomércio. Também foi conselheiro fiscal do SEBRAE SC, consultor jurídico do Serviço Social do Comércio (SESC) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC); membro do Conselho Universitário da UFSC e da Corte Catarinense de Mediação e Arbitragem.

Em âmbito nacional, Arzua foi secretário-geral da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), onde ampliou e modernizou as Câmaras Brasileiras setoriais do comércio e de serviços, coordenou a sistematização da Rede Nacional de Assuntos Legislativos (Renalegis) e, ainda, foi representante da CNC no Instituto de Tecnologia da Informação (ITI), órgão do Ministério da Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *