logocf.png

Siga nossas redes sociais

      
Política

Com impeachment na mesa, base de Moisés reaparece na Alesc

Por meses, oposição falou sozinha no plenário da Assembleia. Parlamentares denunciam falta de justificativa jurídica do processo

Foto: Foto: Daniel Conzi/Agência AL

Após o início da tramitação do processo de impeachment contra o governador Carlos Moisés da Silva, a vice Daniela Reinehr, e secretário de Administração Jorge Eduardo Tasca, voltou a aparecer na Assembleia Legislativa de SC (Alesc) uma espécie de base governista. Desde março, com o início da pandemia, governo e deputados entraram em rota de conflito, principalmente pelo questionamento às ações de enfrentamento à doença e pela compra desastrosa dos respiradores da Veigamed. 

De lá para cá, a oposição reinou sozinha no plenário. Os parlamentares mais firmes na oposição, como Ivan Naatz (PL) e Kennedy Nunes (PSD), realizaram diversos pronunciamentos em defesa da queda Moisés. Os dois pediram, abertamente, a saída dele. Naatz ainda zombou da falta de apoio do Executivo após a derrubada de dois vetos do governo, em junho: "Nós derrubamos dois vetos e ninguém votou a favor do governo. Ninguém falou nada. Não tem ninguém para defender esse governo", disse.  

A coisa começou a mudar após o pedido de impeachment - baseado em uma equiparação de salários complexa e controversa - ganhar força dentro da Casa. O governo somou pelo menos cinco declarações de parlamentares a seu favor, questionando o processo de impedimento. Entre eles, a líder Paulinha (PDT), o colega oficial dos Bombeiros Coronel Mocellin (PSL), e Vicente Caropreso (PSDB). 

O grupo ainda é pequeno e difuso, mas já deixa desconfortável a oposição. Nesta semana, Nunes e Mocellin subiram o tom para divergir sobre a legalidade do processo de impedimento. O pesselista defendeu Moisés na sessão de quarta (5), e Nunes rebateu no dia seguinte, com supostas contradições na fala do colega. Mocellin respondeu na sequência e Nunes teve tréplica.  

O movimento compõe a defesa do Executivo. Neste sentido, duas ações buscaram correções no processo: uma questionava os direitos políticos do autor do pedido e outra a suspensão do trâmite na Assembleia. Além disso, há o questionamento sobre uma possível falta de embasamento jurídico que provocou, inclusive, declaração dos acusados.  

"O Tribunal de Justiça, em decisão transitada em julgado, obrigou o governo a pagar os procuradores do Estado o mesmo valor que recebem os procuradores da Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Por isso, a narrativa construída que alega que o governador e demais pessoas arroladas cometeram crime de responsabilidade é fantasiosa", afirmou Caropreso.  

"Qual o interesse nesse processo de impeachment? Se há algum interesse na Assembleia Legislativa na abertura desse processo de impeachment. A quem esse processo visa beneficiar? São dúvidas que me tomam por completo porque o processo é político, mas ele tem que ter pelo menos 1% jurídico", declarou Ricardo Alba (PSL).  



15372217003380.png

Correio Francisquense - Fone: (47) 9172-6939
Rua: Marcílio Dias, 425 sala 09 São Francisco do Sul - Santa Catarina

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados